CBDA, Natação, Polo Aquático, Maratonas Aquáticas, Saltos Ornamentais

CBDA

07/03/2018 14:50:28

Braçadas Regionais: Rio Grande do Sul organiza a casa e tenta fomentar pólo aquático para o futuro


Mauro Campos de Quadros, presidente da FGDA, é o primeiro entrevistado do projeto Braçadas Regionais.

Foto: Divulgação/CBDA Braçadas Regionais: Rio Grande do Sul organiza a casa e tenta fomentar pólo aquático para o futuro
07/03/2018 14:50:28

(Rio de Janeiro, 6 de março de 2018) Organização, austeridade e planejamento. Essas três palavras fazem parte do perfil de um dirigente esportivo, mas, no Rio Grande do Sul, precisaram ser postas em prática para alavancar uma das principais federações do país. Sob comando de Mauro Campos de Quadros, a Federação Gaúcha de Desportos Aquáticos coloca suas contas em dia, sana dívidas e dá braçadas em direção ao futuro no pólo aquático. Em 2018, o Rio Grande do Sul foi o primeiro estado a receber uma competição nacional.

O mandato de Mauro à frente da federação começou em 2015. Ao assumir a FGDA, o atual presidente precisou organizar a “casa” para poder pensar no futuro. O mandatário conta como foi o processo no início.

“Comecei na FGDA em 2015, com um grande apoio dos clubes. A parte administrativa da federação estava um pouco desorganizada. Tinha um rescaldo do tempo em que as federações tinham relações com bingos e havia uma dívida. Hoje, fizemos um refinanciamento desta dívida e estamos colocando a casa em ordem. Ainda temos outra dívida com o Governo do Estado que está sob controle”, disse.

Enquanto arrumava o setor administrativo da Federação, o presidente precisou também colocar a parte esportiva do estado para funcionar. Ele ressalta o apoio dos clubes do Rio Grande do Sul para fomentar o esporte na região.

“Nós temos uma grande quantidade de atletas na base e na categoria máster, e isso sempre foi um dos nossos focos principais. Nós temos grandes clubes GNU e Clube Recreio da Juventude de Caxias, que são habilitados para recurso do CBC e têm parques aquáticos adequados, com boas perspectivas e que trabalham em parceria com a federação para o bem do esporte”, falou.

Segundo o presidente, as categorias de base e máster, além do paradesporto, que são pontos fundamentais para o planejamento do esporte no Rio Grande do Sul.

“As competições têm evoluído gradativamente. Temos trabalhado com máster e isso movimenta mais a nossa federação. Em paralelo, nós também trabalhamos com o paradesporto, tudo isso agrega volume de trabalho e visibilidade para a federação”, acrescentou.

Tradicionalmente forte na maratona aquática – com dois atletas na seleção brasileira, inclusive – o Rio Grande do Sul tenta, agora, fomentar a prática do pólo aquático.

“Existe, agora, além das águas abertas, um movimento de pólo aquático que está germinando e esperamos dedicar nossos esforços para fomentar essa modalidade por aqui também”, concluiu.



Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA)

Fundada como Confederação Brasileira de Natação (CBN), em 21 de outubro de 1977, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos completou 40 anos de fundação, em 2017. Atualmente, o presidente da CBDA é Miguel Cagnoni.

A nomenclatura foi mudada em 1988 para adequação, já que a CBDA administra cinco modalidades: natação, maratona aquática, pólo aquático, saltos ornamentais e nado sincronizado. A CBDA, atualmente, tem todos os 26 estados brasileiros, além do Distrito Federal, como federações filiadas.

Os Correios, patrocinador oficial da entidade, é parceiro da Confederação desde 1991 e é parte de todas as medalhas e formação de novos atletas nas cinco modalidades.
Departamento de Comunicação - CBDA