CBDA, Natação, Polo Aquático, Maratonas Aquáticas, Saltos Ornamentais

Maratonas Aquáticas

19/03/2017 12:50:10

Ana Marcela e Diogo Villarinho vencem em Porto Belo


Etapa de Porto Belo 2017

Foto: CBDA/Divulgação Ana Marcela e Diogo Villarinho vencem em Porto Belo
19/03/2017 12:50:10
Porto Belo / SC – A primeira etapa do 22º Campeonato Brasileiro e da 4ª Copa Brasil de Maratonas Aquáticas aconteceu na manhã deste domingo, dia 19/03, no Trapiche dos Pescadores, praia de Porto Belo, em Santa Catarina. Diogo Villarinho, do Minas Tênis, e Ana Marcela Cunha, da Unisanta, conquistaram as medalhas de ouro da competição de abertura do calendário nacional, após contornarem a Ilha de Porto Belo, em prova de cinco quilômetros.

Entre os homens, Diogo venceu a disputa em 57 minutos e 29 segundos. Completaram o pódio Fernando Ponte, do Grêmio Náutico União, com 57m36, e Victor Colonese, da Unisanta, 57m37. Em uma chegada bem disputada, Diogo, que nadou todo percurso no primeiro pelotão, assumiu a liderança no sprint final, após o contorno da última boia.



Fernando Ponte, Diogo Villarinho e Victor Colonese

- Estou muito feliz, tivemos uma chegada bem acirrada e eu ganhei no detalhe, em uma prova de inteligência. Foquei muito na estratégia, comecei dosando bem o ritmo, no meio do pelotão, diferente do que normalmente faço. No final acelerei e arrisquei um pouco, deu certo. Voltei há uma semana de Abu Dhabi, ainda competi em Minas durante os últimos dias, então foi um pouco corrido, mas bom, nadei muito bem. Este é um ano de recomeço no Minas, depois de um ano voltei pra casa, e o trabalho com o Sergio (Marques, treinador da equipe) é bem recente, mas já está dando certo. O resultado da Copa do Mundo foi bom (20º lugar) e esta vitória me da mais confiança para continuar em busca dos meus objetivos – analisou Diogo Villarinho.

No feminino, Ana Marcela Cunha assumiu a liderança desde suas primeiras braçadas e após 1h00m53 venceu a competição. Já as demais posições, começaram a ser definidas somente nos últimos 200 metros. Com 1h00m55 e 1h00s57, Betina Lorscheitter e Viviane Jungblut, ambas do Grêmio Náutico União, garantiram a segunda e terceira posições, respectivamente. Quem também esteve no pelotão principal durante toda a prova e terminou na quarta colocação foi Joanna Maranhão, atleta da Unisanta, estreante no circuito nacional da modalidade.

- Vencer é sempre bom, estar no pódio é sempre bom, independente de como estamos fisicamente. Tenho o maior respeito por todas as atletas, por mais que sejamos considerados favoritos, quando estou nadando quero fazer o meu melhor. Tivemos uma chegada forte, no final vi a Joanna lado a lado, sei que é a primeira prova, mas sei que ela é rápida, então coloquei mais força ali no final e deu certo. Agora é me preparar para a nossa seletiva, em Foz, para chegar bem e se Deus quiser classificar, garantir presença e trabalhar mais – analisou Ana Marcela Cunha.


Betina Lorscheitter, Ana Marcela e Viviane Jungblut


Ana Marcela esteve representando o Brasil nas duas primeiras etapas da Copa do Mundo FINA da modalidade, na Argentina (fevereiro) e Abu Dhabi (março), sendo esta última realizada no sábado passado, dia 11. Na ocasião Ana terminou na 12ª posição, melhor colocação do Brasil.

- Ainda estava um pouco cansada da viagem, mas tive uma semana para me preparar e poder nadar bem aqui também. Abu Dhabi foi uma prova muito forte, diferente de Viedma, bem difícil e seletiva mundial de vários países. Foi importante para termos um noção melhor de como estamos, a nível mundial, e sabemos que ainda temos muito em que melhorar – completou Ana Marcela.

Na Copa Brasil, Luiz Lima, dos Gladiadores, do Rio de Janeiro, foi o primeiro a completar o percurso, com 1h01m44. Entre as mulheres, Alessandra Pereira, do São Bento, foi a primeira a fechar os cinco quilômetros da prova, depois de 1h09m04. Em sua quarta edição, a Copa Brasil, é voltada para o desenvolvimento da modalidade, conta somente com provas de 5 km, e suas categorias são dividas em faixas etárias.


Luiz Lima

- Essa prova é sempre muito bacana, pelo contorno da Ilha, em que as formas de navegação influenciam muito. Na maratona o principal não é a chuva ou o tempo nublado, mas sim o mar. Hoje aqui a água estava calma, “flat”, com boa visibilidade e água entre 24 e 25 graus é nota mil. A Copa Brasil é um “barato”. Além de trazer motivação para o Campeonato Brasileiro ainda tem grande participação, mas também é bastante disputada. Esse ano teremos uma briga acirrada, principalmente com o pessoal do Circulo Militar, de São Paulo, mas os Gladiadores estão treinando bastante – comentou Luiz Lima.

As próxima etapas do Brasileiro, seletivas para o Mundial de Budapeste, serão nos dias 11 e 13 de maio, com provas de dez e cinco quilômetros, em Foz do Iguaçu. Já a Copa Brasil será no dia 13, no mesmo local.

A Maratona Aquática conta com recursos dos Correios - Patrocinador Oficial dos Desportos Aquáticos Brasileiros -, e ainda do Bradesco/Lei de Incentivo Fiscal, Lei Agnelo/Piva - Governo Federal - Ministério do Esporte, COB, Speedo e Estácio.



Eliana Alves / Souza Santos / Mariana de Sá