CBDA, Natação, Polo Aquático, Maratonas Aquáticas, Saltos Ornamentais

Natação

07/08/2016 16:13:37

Cinco vezes 4x100m livre


Jogos Olímpicos Rio 2016

Foto: CBDA/Divulgação Cinco vezes 4x100m livre
07/08/2016 16:13:37

Rio de Janeiro/RJ — A segunda etapa de natação nos Jogos Olímpicos Rio 2016, neste domingo 07/08, deu mais uma semifinal e uma disputa por medalhas para o Brasil. Guilherme Guido foi o 13º semifinalista nos 100m costas (53s80) e o time de 4x100m livre conseguiu classificação com o quinto melhor tempo geral, com 3m14s06 empatado com a equipe canadense.

Marcelo Chierighini (48s47), Nicolas Nilo (47s96), Gabriel Santos (48s63) e Matheus Santana (49s00) colocaram o Brasil em sua quinta decisão de 4x100m livre masculino em Jogos Olímpicos (ver lista no final). O time de Sidney 2000 — Fernando Scherer, Gustavo Borges, Carlos Jayme e Edvaldo Valério — subiu ao pódio para ganhar o bronze.

Nicolas Nilo até saiu da prova de 200m livre, para a qual também estava classificado, para poupar energias. A disputa de revezamento não tem semifinal e passa direto pro tudo ou nada, para a decisão. Os dezesseis times classificados tem suas estratégias e vários poupam atletas para que consigam a sonhada vaga entre os oito, e mais tarde, quem sabe, um pódio.

— A gente viu que a competição está muito forte e que temos que melhorar pra final, mas eu sabia que, principalmente no Brasil, seria uma sensação única. Nós viemos ver as provas de ontem, mas na nossa hora, a sensação é diferente. Agora, quebramos o gelo, já vimos a atmosfera, como será esta “pegada”. É briga de cachorro grande e é pra isso que a gente treina. Eu estou me divertindo muito e falei com os meninos que nessa hora temos que colocar a cabeça pra cima, ter orgulho do que fazemos, representando tanta gente. Agora é fazer o que treinamos. Vamos ver as análises de vídeo, ver a questão de saída, acho que posso melhorar. Mas a rotina é a mesma, alimentação, dormir ... e não fazer nada de muito diferente. Vai ser uma batalha, mas a medalha é possível, pois todos têm alguma coisa pra tirar. É absorver esta energia e acreditar até o final — desabafou.

Marcelo se disse impressionado com a torcida.

- Acho que a prova foi muito boa, pra começar. Ficamos em quinto, foi sólido. Também foi bom para acostumar com a torcida, nunca vi nada parecido com isso. Até quando virei, embaixo da água, escutei a galera vibrando. O tempo foi bom, mas queria um pouco mais baixo e quero melhorar para a noite. Estamos na final e tudo pode acontecer. Essa prova é muito imprevisível – Analisou.

Gabriel, estreante em Jogos Olímpicos, também se impressionou com a vibração do Estádio Aquático Olímpico e lembrou que todos estavam entrando na competição naquele momento.

— É uma sensação indescritível. A torcida está de parabéns. Podemos melhorar bastante. Temos que filtrar esta energia boa e vir pra tentar uma medalha. O pódio é muito importante pra gente. Todos nós estávamos na primeira queda e rolou aquela tensão, com todos meio presos. Mas vai ser melhor na final, se Deus quiser — disse.

Caso Guido passe para a decisão será o primeiro do país na final olímpica da prova.

Foto: Satiro Sodré/CBDA/SS Press

— Eu vim para a Olimpíada com o oitavo tempo do mundo. Se eu conseguir defender esse tempo acho que entro na final. A prova de manhã ficou fora do tempo que tenho e tem algumas coisas pra acertar aí. Vou descansar e voltar à noite pra brigar pela final — disse Guido.

O segundo dia de provas da natação começou com tropeços para o Brasil. Etiene Medeiros não se classificou para a prova de 100m costas. Com o tempo de 1m01s70, ela terminou em 25º lugar. Nos 200m livre, João de Lucca também ficou com a mesma colocação, pelo tempo de 1m47s63. Nicolas Nilo não nadou a prova para se poupar para o revezamento 4x100m livre. Etiene ainda nada os 50m e 100m livre.

- Esporte é isso, às vezes a gente vai bem, às vezes vai mal, e hoje eu fui mal realmente. Tenho plena certeza que não foi o que treinei, não foi o que estava planejando, mas eu sou muito tranquila em falar isso. Vai servir como aprendizado, como lição. Às vezes as coisas acontecem na nossa vida pra gente ver o que está acontecendo e poder reestruturar a casa. Pra mim, esse 1’01”70 é como se eu não tivesse nadado, mas paciência. Agora é ‘bola pra frente’ que ainda tenho duas provas e vamos tentar ao máximo dar uma limpada pra que entre melhor nos 100 e 50m livre. Acho que a prova não encaixou, mas preciso ver a analise pra ter uma conclusão. Na saída notei que não tinha sido bom, isso gastou tempo e um pouco de energia para voltar a prova. A saída foi ruim. Ainda tem muita prova, muita emoção pela frente e que fazer parte disso. Estou muito feliz de estar aqui, independente do que aconteceu, estou aproveitando. Amo nadar os 50 livre, amo nadar o 100 livre, mas também os 100m costas. Sou campeã pan-americana nessa prova, quero voltar a fazer o que eu estava fazendo. É difícil, como para qualquer atleta. Estou aqui para aprender e mostrar o que tenho de melhor. Estou tranquila, entrei e sorri quando ouvi a torcida gritando ‘Brasil’. Isso é muito legal, é diferente. A pressão que tenho é mais minha, não de ninguém de fora, e tenho que equilibrar mesmo dentro de mim - disse Etiene.

A natação brasileira conta com recursos dos Correios - Patrocinador Oficial dos Desportos Aquáticos Brasileiros -, e ainda do Bradesco/Lei de Incentivo Fiscal, Lei Agnelo/Piva - Governo Federal - Ministério do Esporte, COB, Speedo e Estácio.

Eliminatórias — 7.08

100m costas — Etiene Medeiros — 1m01s70 — 25º 

200m livre — Nicolas Oliveira — Não nadou

200m livre — João de Lucca — 1m47s63 — 25º

100m costas — Guilherme Guido — 53s80 — 13º (semifinal)

4x100m livre — Marcelo Chierighini, Nicolas Nilo Oliveira, Gabriel Santos e Matheus Santana — 3m14s06 - 5º (final) 

História do 4x100m livre masculino do Brasil nas Olimpíadas

Munique 1972 — 4º — Ruy Aquino Oliveira, Paulo Znetti, Paulo Becskehazy, José Dias Aranha

Barcelona 1992 — 6º — José Carlos Souza Jr, Gustavo Borges, Emmanuel Nascimento, Christiano Michelena

Atlanta 1996 — 4º — Fernando Scherer, Alexandre Massura, André Cordeiro, Gustavo Borges

Sidney 2000 — 3º — Fernando Scherer, Gustavo Borges, Carlos Jayme, Edvaldo Valério Silva Filho



Eliana Alves Cruz/Souza Santos/Mariana de Sá