CBDA, Natação, Polo Aquático, Maratonas Aquáticas, Saltos Ornamentais

Natação

13/08/2016 21:33:10

Natação brasileira encerra com oito finais e 10 Semis


Jogos Olímpicos Rio 2016

Foto: CBDA/Divulgação Natação brasileira encerra com oito finais e 10 Semis
13/08/2016 21:33:10

Rio de Janeiro/RJ - A natação encerrou nos Jogos Olímpicos Rio 2016 e o Brasil finalizou com oito finais, 10 semifinais, quatro recordes sul-americanos e um brasileiro (ver lista no final). No último dia de disputas no Estádio Aquático Olímpico, na noite deste sábado, 13/08, o revezamento 4x100m medley (Guilherme Guido, João Gomes Júnior, Henrique Martins e Marcelo Chierighini) fez 3m32s84 e terminou na sexta posição. Etiene Medeiros colocou as mulheres de volta às finais, nos 50m livre.

- Estou completamente sem palavras, chorei um pouco. Pra mim, foi uma volta por cima, um momento único, entrei na prova sonhando, vi o Xuxa ali na raia 1 (final olímpica de Atlanta, Scherer conquistou bronze), a gente tem que acreditar sempre. Depois dos 100m costas eu tive dois dias de folga. Alinhei toda a minha preparação com Vanzella, vi vídeos, me encontrei com minha psicóloga, o que já estava marcado e foi muito bom. E a parte psicológica é fundamental em competição. Hoje fechei raia, como se diz na gíria (chegar em último entre os oito numa prova) mas com um gosto diferente, de finalista olímpica. Temos agora que descansar a mente, o desgaste mental aqui é absurdo, o físico ainda vai, pois estamos preparados. Daqui a pouco tem o Troféu Finkel, que é seletiva para o Mundial de Curta em dezembro e a cabeça tem que dar uma descansada , descontrair um pouco. Eu penso em Tóquio (Olimpíadas de 2020), mas há muita água ainda pra rolar pela frente e nós atletas temos que ter consciência disso. Minha relação com Vanzella é muito forte, estamos sempre grudados, ele me ensinou muito. Esta relação de atleta e técnico tem que ser assim, de muito respeito — disse Etiene, que finalizou agradecendo a todos.

Etiene

Nos Jogos de Pequim 2008 o Brasil teve uma final com Gabriela Silva. Em Londres nenhuma nadadora brasileira chegou a disputar uma decisão. A dinamarquesa Pernile Blume não acreditou quando olhou o placar e viu 24s07. Ela venceu a forte final dos 50m livre feminino, que teve a americana Simone Manuel (24s09) no degrau de prata e a bielorussa Aliaksandra Herasimenia (24s11) com o bronze.

A prova de revezamento começou com Guilherme Guido (54s23). Depois vieram João (58s59), Henrique (51s52) e Marcelo (48s50).

— É indescritível o que vivi aqui. Poucos atletas poderão dizer que sentiram o que senti nesses Jogos. Saio desses com a cabeça erguida. Vim para melhorar meus tempos, não consegui. Mas, conquistei com duas marcas bem interessantes para minha carreira que só aumentam minha vontade de estar em Tóquio e buscar uma medalha. Vou voltar para casa, descansar, colocar a cabeça no lugar e começar tudo de novo. Precisamos analisar em um contexto geral o que o time fez. Temos atletas bem experientes e outro chegando, que vão longe, e eu sou um deles. Não é fácil estar aqui, só quem chega nesse patamar sabe o que passou de sacrifício para estar aqui. Saio bem agradecido, não só eu como o time. Conquistamos oito finais Olímpicas – João.

4x100m medley (Guido, Henrique, Chierighini e João) / Fotos: Satiro Sodré-SSPress-CBDA

A prova foi vencida pelo time americano com recorde olímpico, 3m27s95, com Ryan Murphy, Cody Miller, Michael Phelps e Nathan Adrian. O pódio foi completado pelo time britânico (3m29s24) e pela Austrália (3m29s93).

Análises

O supervisor executivo da CBDA, Ricardo de Moura, disse que faltou a medalha, mas que outras metas foram alcançadas.

— O caminho da medalha a gente construiu. Aumentamos o número de finais, de semifinais. Sobre a performance dos atletas, todos o planejamento foi feito. Vamos ter que analisar aqueles que melhoraram, aqueles que tiveram um desempenho abaixo. Vamos analisar o que efetivamente aconteceu. Numa equipe de 33 nadadores, 20 participam dos Jogos pela primeira vez. Tivemos um ciclo muito produtivo, principalmente quando a gente fala de renovação. Jogos Olímpicos da Juventude e Campeonatos Mundiais. Tivemos dois recordistas mundiais juniores. Essa campanha está me lembrando a de 2004, quando não tivemos medalhas porque tivemos uma geração saindo e outra chegando. A sensação de não ter ganho a medalha é a de todo mundo. Queria que tivesse acontecido para homenagear esse público, que foi sensacional. Quando falei isso posso ter sido mal interpretado, mas isso faz parte da criação de uma cultura esportiva, que ainda estamos construindo. Isso não se compra — explicou.

Em balanço com a imprensa, Ricardo falou do futuro e afirmou que os equipamentos que foram utilizados nos Jogos serão enviados para outros locais no país.

— Vai ter que acontecer um número maior de intercâmbios internacionais. Vamos ter que incrementar competições de um nível maior principalmente com a garotada mais nova. Esse é o grande problema que a gente tem no nosso continente. A gente domina e tem que sair toda hora. Isso é caro, mas vamos ter que fazer isso. Vamos fazer uma reunião com os clubes mais bem ranqueados para alinhar ideias. A gente esbarra numa coisa chamada cultura esportiva. Na sala de aula de um atleta, quantos praticam um esporte que precisa de seis horas de treino, acordar 5h30 da manhã... ninguém.  Toda a sociedade vai para um lado e o atleta vai para outro. Essa cultura precisa ser valorizada. Não sabemos qual o cenário que teremos daqui pra frente, mas a real perspectiva é de estabelecer parcerias dentro da própria comunidade. Se estivermos fortes internamente fica mais fácil. Dentro disso nosso projeto já foi aprovado no Ministério dos Esportes e grande parte dos equipamentos utilizados aqui vai ser repassado aos Estados — disse.


O técnico chefe, Alberto Silva, também avaliou o time.

- Lógico que queríamos a medalha. Por ser em casa tem um fator emocional, mas não podemos colocar assim. Não colocaria o fator casa na avaliação. O trabalho foi feito e vejo evolução. Em termos de planejar, de contar com verba para realizar isto, e conseguimos. Antes tivemos finais e semifinais com poucos nadadores, três ou quatro. Um dos nossos objetivos era aumentar a massa de nadadores que chegassem a este ponto e isto foi feito. Este ponto foi positivo. Agora teremos que avaliar o trabalho que não começou agora, vem desde quando Gustavo Borges parou, quando tivemos uma entressafra. O trabalho com a base, aumentar o número de finais e semifinais com maior número de atletas e colocar dois revezamentos nas finais, tudo isto foi feito. A conclusão que eu e meus colegas tivemos é que criamos as oportunidades para mais de uma medalha, infelizmente não soubemos realizar e temos que ver o porquê. Não só pelo povo brasileiro, mas por nós também. Eu quero uma medalha, meus colegas e os nadadores também. E teremos que nos adaptar ao momento que o país vive hoje — disse.

Finais e semifinais do Brasil

Finais

100m peito — João Gomes Júnior — 59s31 — 5º

4x100m livre — Marcelo Chierighini, Nicolas Nilo, Gabriel Santos, João de Lucca — 3m13s21 — 5º

50m livre - Bruno Fratus - 21s79 - 6º

4x100 medley - Guilherme Guido, João Gomes, Henrique Martins e Marcelo Chierighini - 3m32s84 - 6º

100m peito — Felipe França Silva — 59s38 - 7º

200m medley - Thiago Pereira - 1m58s02 - 7º

100m livre — Marcelo Chierighini — 48s41 — 8º

50m livre - Etiene Medeiros - 24s09 - 8º

Semifinais

200m medley — Henrique Rodrigues — 9º

200m livre — Manuella Lyrio — 1m57s43 — 12º

200m borboleta — Leonardo de Deus — 1m56s77 — 13º

200m costas — Leonardo de Deus — 1m57s67 — 13º

200m borboleta — Kaio Márcio — 1m57s45 — 14º

100m costas — Guilherme Guido — 54s16 — 14º

100m borboleta  — Daiene Dias — 58s52 — 14ª

50m livre - Ítalo Duarte - 22s05 - 15º

100m borboleta — Daynara de Paula — 58s65 — 16ª 

100m livre — Etiene Medeiros — 54s56 — 16ª


Recordes

Sul-americano - Etiene Medeiros - 50m livre (24s45)

Sul-americano - Felipe França Silva - 100m peito (59s01)

Sul-americano - Manuella Lyrio - 200m livre (1m57s28)

Sul-americano - 4x200m livre F (Manuella Lyrio, Jessica Cavalheiro, Gabi Roncatto e Larissa Oliveira) - 7m55s68

Brasileiro - Leonardo de Deus - 200m costas (1m57s00)


A natação brasileira conta com recursos dos Correios - Patrocinador Oficial dos Desportos Aquáticos Brasileiros -, e ainda do Bradesco/Lei de Incentivo Fiscal, Lei Agnelo/Piva - Governo Federal - Ministério do Esporte, COB, Speedo e Estácio.



Eliana Alves / Souza Santos / Mariana de Sá