CBDA, Natação, Polo Aquático, Maratonas Aquáticas, Saltos Ornamentais

Natação

30/07/2017 15:35:23

Brasil encerra com sua segunda melhor campanha em número de medalhas


Mundial de Budapeste 2017

Foto: CBDA/Divulgação Brasil encerra com sua segunda melhor campanha em número de medalhas
30/07/2017 15:35:23

Budapeste/HUN — O Brasil encerrou na tarde deste domingo, 30/07, a participação no Mundial dos Esportes Aquáticos de Budapeste com sua segunda melhor campanha em número total de medalhas. Foram oito pódio no total — 2 ouros, 4 prata e 2 bronzes — somando maratonas aquáticas e natação. Antes, Barcelona 2013 tem o maior número de medalhas (10) e Xangai 2011, o maior número de pódios dourados, com quatro vitórias (ver relação no final).

Além das oito medalhas, o Brasil termina o Mundial dos Esportes Aquáticos de Budapeste com sete finais e sete semifinais. Nas maratonas aquáticas Ana Marcela Cunha brilhou sagrando-se a primeira brasileira tricampeã mundial. Etiene Medeiros mais uma vez foi pioneira sendo a primeira brasileira campeã de natação em um Mundial dos cinco esportes da Federação Internacional. Nicholas Santos provocou a admiração de todos os atletas e técnicos na competição ao conquistar a prata nos 50m borboleta aos 37 anos. O atleta mais velho a subir no pódio da maior competição da FINA.

Na Hungria, o país termina na 4ª colocação nas maratonas aquáticas, no 9º lugar na natação e em 10º no quadro geral de medalhas. Entre as 176 nações que participaram em Budapeste, dos 29 países que subiram ao pódio, apenas cinco eram das Américas: Estados Unidos (1º); Brasil (10º), o Canadá (13º), Equador (22º) e México (20º).

— Foi uma ótima competição em todos os sentidos. Espantou o “fantasma” do ano passado (Rio 2016, quando a natação não subiu ao pódio e apenas a maratona aquática, com Poliana Okimoto, levou a medalha de bronze). Os atletas voltaram a sentir como é bom estar no alto nível do esporte mundial. A Confederação tem proporcionado ao longo dos últimos anos uma boa estrutura e conseguimos mantê-la. Parabenizo os atletas e técnicos que são os grandes responsáveis por  este resultado tão bom no início do ciclo — disse Ricardo Prado, coordenador geral de esportes.

O último dia — O revezamento 4x100m medley de Guilherme Guido, João Gomes Júnior, Henrique Martins e Marcelo Chierighini foi a última prova da competição. Guido abriu com 53s53 e deixou o time em quinto para o estilo peito de João Gomes, que bateu em sexto (58s80), antes de Henrique caír na água. Ele manteve o país em sexto (51s12) e Marcelo Chierighini (48s08) ganhou uma posição, retornando a equipe para o quinto lugar.

- É obvio que a gente quer medalha, mas terminamos em sexto na Olímpiada, ano passado, ficamos em quinto agora. Precisamos manter a progressão, juntar os tempos individuais e com cada um melhorando em sua prova, a gente vai chegar bem posicionado em Tóquio. A competição foi boa. Estamos bem fortalecidos, de modo geral. Viemos com menos atletas, mas mesmo assim melhoramos no quadro de medalhas. Vimos uma evolução individual nas provas que compõe o revezamento 4x100m medley – disse Guilherme Guido.

Foto: Satiro Sodré/SSPress/CBDA

João também vê evolução na performance do time do Brasil.

- Estamos em uma grande evolução, desde o ano passado. A cada competição queremos buscar esta medalha. Baixamos um pouco o tempo desde a competição passada e agora é brigar para abaixar mais. O saldo (da competição) é bem positivo. Só tenho que agradecer a todos que deram oportunidade para a gente poder nadar. A equipe está muito mais unida, com a nova gestão estamos conseguindo colocar mais as nossas opiniões. Temos muito a oferecer ainda para a natação brasileira – João Gomes Junior.

Henrique Martins vislumbra o trabalho que precisa ser feito para chegar na medalha da prova.

— O medley mostra a seleção como um todo, em um conjunto de prova nos quatro estilos, então o Brasil mostra que está melhorando. Para a medalha vamos ter que ajustar muito os detalhes, treinando muito até lá, para poder buscar uma medalha nas Olímpiadas. No ano pós Olímpiada eu procurei disputar toda competição como se fosse o Mundial. A rotina de tentar buscar meu máximo me ajudou muito aqui. Saio feliz por ter nadado bem em todas as provas, não tanto quanto eu gostaria pois faltaram alguns detalhes – Henrique Martins

Brandonn Almeida estreou na decisão de um Mundial dos Esportes Aquáticos na prova de 400m medley e terminou na sétima posição, cravando 4m13s00 e melhorando seu tempo das eliminatórias. O vencedor foi o americano Chase Klisz, que bateu o recorde da competição com 4m05s90, seguido — para alegria do público que lotou a Arena Duna — pelo húngaro David Verraszto (4m08s38). O bronze foi para o japonês Daiya Seto (4m09s14).

Foto: Satiro Sodré/SSPress/CBDA

— Foi bem legal, não fiz o tempo que eu queria, mas nosso objetivo nessa competição era estar entre os melhores do Mundo, chegar à final, e eu cumpri o objetivo. Foi uma realização pessoal. Comecei um pouco mais forte, no calor da emoção, e acabou faltando para os outros estilos. Queria nadar para o meu melhor, mas saiu a segunda melhor marca. É muito difícil nadar os 400 medley forte, de manhã e de tarde, baixando o tempo, é uma prova muito desgastante. No balizamento só consegui rir, não estava nervoso. Aqui foi muito diferente, uma experiência incrível, estava nadando e consegui ouvir a torcida. Dá vontade de voltar e vir nadar mais vezes assim - disse Brandonn.

Os Esportes Aquáticos do Brasil contam com recursos dos Correios - Patrocinador Oficial dos Desportos Aquáticos Brasileiros -, Lei Agnelo/Piva - Governo Federal - Ministério do Esporte, COB e Estácio.

Seleção Brasileira
Brandonn Almeida, Bruno Fratus, Cesar Cielo, Etiene Medeiros, Felipe Lima, Gabriel Santos, Guilherme Guido, Guilherme Costa, Henrique Martins, João Gomes Junior, Joanna Maranhão, Leonardo de Deus, Manuella Lyrio, Marcelo Chierighini, Nicholas Santos e Thiago Simon.
Equipe Multidisciplinar
Treinadores: Alberto Silva, Felipe Domingues, Sérgio Marques (chefe de equipe) e Tiago Moreno.
Médico - Luiz Roberto Marchese.
Fisioterapeutas: Natan Cunha e Tiago Consenza
Biomecânico: Samie Elias

Campanha brasileira no Mundial de Budapeste 2017

Medalhas

Ouro - 50m costas - Etiene Medeiros (Recorde das Américas)

Prata — 4x100m livre — Gabriel Santos, Marcelo Chierighini, Cesar Cielo e Buno Fratus (Recorde Sul-Americano)

Prata — 50m borboleta — Nicholas Santos

Prata — 50m peito — João Gomes Junior (Recorde das Américas)

Prata — 50m livre — Bruno Fratus

Finais

1º — 50m costas — Etiene Medeiros

4º — 50m Peito - Felipe Lima

5º — 100m livre — Marcelo Chierighini

5º — 4x100m medley — Guilherme Guido, João Gomes Júnior, Henrique Martins e Marcelo Chierighini

6º — 50m borboleta — Henrique Martins

7º — 100m costas — Guilherme Guido

7º — 400m medley — Brandonn Almeida

Semifinais

10º — 200m medley — Joanna Maranhão (Recorde Sul-Americano)

10º — 100m peito — Felipe Lima

11º -— 100m peito — João Gomes Júnior

11º — 200m costas — Leonardo de Deus

12º — 50m costas — Guilherme Guido

14º — 100m livre - Gabriel Santos

14º — 200m borboleta — Leonardo de Deus

Programação — Retorno

Mundial FINA dos Esportes Aquáticos – Histórico de medalhas Brasileiras

1- Berlim 1978 – Bronze – 100m costas masculino – Rômulo Arantes Júnior
2- Guayaquil 1982 – Ouro – 400m medley masculino – Ricardo Prado
3- Roma 1994 – Bronze – 100m livre masculino – Gustavo Borges
4- Roma 1994 – Bronze – 4x100m livre masculino – Gustavo Borges, Fernando Scherer, Teófilo Ferreira e André Teixeira
5- Roma 2009 – Ouro – 50m livre masculino – Cesar Cielo Filho
6- Roma 2009 – Ouro – 100m livre masculino - Cesar Cielo Filho
7- Roma 2009 – Prata – 50m peito masculino – Felipe França Silva
8- Roma 2009 – Bronze – 5 km feminino – Poliana Okimoto
9- Xangai 2011 – Ouro – 25km feminino – Ana Marcela Cunha
10- Xangai 2011 – Ouro – 50m borboleta masculino - Cesar Cielo Filho
11- Xangai 2011 – Ouro – 50m livre masculino - Cesar Cielo Filho
12- Xangai 2011 – Ouro – 50m peito masculino – Felipe França Silva
13- Barcelona 2013 – Ouro – 10km - Poliana Okimoto
14- Barcelona 2013 – Ouro – 50m borboleta —Cesar Cielo
15- Barcelona 2013 – Ouro– 50m livre– Cesar Cielo
16- Barcelona 2013 – Prata - – 5km— Poliana Okimoto
17- Barcelona 2013 – Prata – 10 km— Ana Marcela Cunha
18- Barcelona 2013 – Bronze– 5km– Ana Marcela
19- Barcelona 2013 – Bronze – Prova por Equipe 5km– Allan do Carmo, Poliana Okimoto, Samuel de Bona
20- Kazan 2015 - Ouro - 25km- Ana Marcela Cunha
21- Kazan 2015 - Prata - Equipe 5km – Allan do Carmo, Ana Marcela Cunha e Diogo Villarinho
22- Barcelona 2013 – Bronze– 100m peito– Felipe Lina
23- Barcelona 2013 – Bronze– 200m medley– Thiago Pereira
24- Barcelona 2013 – Bronze– 400m medley– Thiago Pereira
25- Kazan 2015 – Prata– 50m borboleta– Nicholas Santos
26- Kazan 2015 -  Prata– 200m medley– Thiago Pereira
27- Kazan 2015 – Prata– 50m costas– Etiene Medeiros
28- Kazan 2015 - Bronze– 10km– Ana Marcela Cunha
29-  Kazan 2015 – Bronze– 50m livre- Bruno Fratus
30- Budapeste 2017 – Ouro - 25 km- Ana Marcela Cunha
31- Budapeste 2017 - Ouro - 50m costas - Etiene Medeiros
32- Budapeste 2017 – Prata— 4x100m livre — Gabriel Santos, Marcelo Chierighini, Cesar Cielo,
Bruno Fratus
33- Budapeste 2017 – Prata— 50m borboleta – Nicholas Santos
34- Budapeste 2017 – Prata— 50m peito - João Gomes Junior
36- Budapeste 2017 — Prata – 50m livre — Bruno Fratus
36- Budapeste 2017 – Bronze - 10km- Ana Marcela Cunha
37- Budapeste 2017 – Bronze - 5km- Ana Marcela Cunha



Eliana Alves Cruz/ Mariana de Sá/Souza Santos